Flash Back: Prison Break – 4×14: Just Business - Líder Séries

ULTIMAS

7 de dezembro de 2012

Flash Back: Prison Break – 4×14: Just Business




Prison Break nos prepara para os momentos finais da saga de Michael Scofield. Apenas oito episódios nos separam do Series Finale.
Spoilers Abaixo:



Pois bem. Obviamente, você e eu saltamos da poltrona quando o Michael disse, no melhor estilo Clint “Magnum” Eastwood, “come and get it”. O começo do episódio dessa semana já trouxe alguma coisa do embate aguardado: Self atirando cápsulas de gás para asfixiar Scofield e sua equipe. Um rápido confronto, armas apontadas… E Self e Gretchen saem ilesos com a maior parte de Scylla, tendo deixado uma câmera pra parede nenhuma botar defeito.
Pausa. Fui só eu ou vocês também pensaram: “Atirem de uma vez!”.
Continuando. Mahone – o qual, para alegria de todos e felicidade geral da nação, segue firme em Prison Break – tenta conseguir com sua amiga Felicia algum tipo de acesso ao Bureau. Tudo o que ele quer é a segurança de entregar Scylla para as pessoas certas. Um pouco mais além no episódio e revemos o velho algoz de Mahone, o agente Wheeler. Ele é a única chance que o Alex tem de conseguir alguma coisa próxima da justiça.
Bem escondido no porta-malas, Sucre acaba descobrindo que Self e Gretchen estão hospedados no Fauntleroy Hotel. Ao sair do carro, pega emprestada uma caixa com alguns daqueles brinquedinhos asfixiantes do Don Self. O plano “Esqueceram de Mim” do Michael Scofield é, então, posto em prática (fala sério, não deu uma baita sensação de déjà vu quando o Self desce a escada e leva um super tombo? Só faltava umas duas demãos de graxa no chão em frente à porta do quarto, pra Gretchen escorregar e cair estatelada).
Logo em seguida, uma das partes mais interessantes desse episódio começou a se desenvolver. Se você tiver oportunidade, dê uma passada de novo na parte em que o Ralph Becker, o cristão itinerante, diz quem ele é. Quer dizer, você e eu já estávamos com as antenas super pra cima – se um gato pulasse no quintal da Rita, a gente já ia dizer que era a Companhia. Que dirá um cara boa gente como o Ralph, aparecendo na porta com um anel de Nibelungos no dedo. Mas foi tão crível, de verdade. Eu fiquei me debatendo pra continuar acreditando que o cara era da Companhia. A cena em que ele completa o salmo é ótima (a versão é a King James Bible, a referência é Salmos 30:5), e muito bem interpretada: no entanto, as nossas suspeitas acabam convertidas em realidade quando o Ralph leva o Bagwell direto pra Companhia, sem cerimônia.
Bastante atraente, a Sara protagonizou com o Sucre a invasão no Fauntleroy Hotel. Plano bem executado, Gretchen rolando escada abaixo e se desviando de umas mil balas e pronto. Tudo concluído, com Michael sangrando dois litros pelo nariz e a Companhia o levando para sua sede. Destaque para os golpes incansáveis da Gretchen no lombo do Sucre – aqueles chutes com a ponta do sapato bem na ferida foram de doer o coração.
Os eventos enfim levam o Mahone para a prisão, o Vikan para o necrotério e o Michael Scofield para os cuidados da Companhia. Confesso que fiquei com um sorriso estampado no rosto quando vi o Scofield bem tratado pelos médicos, tudo a mando do General. Algumas considerações breves:
1. Aquela pasta com o título de “Tombstone II” deve conter informações sobre os trabalhos do pai do Burrows e do Scofield quando trabalhava para a Companhia. E, afinal de contas, que coisa interessante: a Companhia vai salvar a vida do Michael;
2. O Mahone deve voltar, por obséquio. Mas e o comprador de Scylla? Quem será? Além disso, quem será que morre primeiro? A Gretchen, o Self ou o T-Bag? Um dos três deve deixar a série antes do fim do ano – num mid-season finale que deve ocorrer dentro em breve.
3. Falando em Gretchen, a personagem é outra hoje em dia. Sem querer ser exageradamente mesquinho, é incrível como ela não faz o que, anteriormente, ela faria sem nem pensar duas vezes. Um exemplo? Matar o Self, atirar no T-Bag e garantir a segurança da família nunca foram tarefas tão árduas. Essa, por sinal, é a mesma mulher que bancou a Exterminadora do Futuro no tiroteio da GATE.
E vocês? O que acharam do episódio? Ficaram tão confusos quanto eu com esse número avassalador de reviravoltas? Comentem e comentem.
P.S.: A saída da Lisa ainda vai ter alguma repercussão na trama. Tomara que não seja nada óbvio demais.
P.S.2: Fiquei rindo com a morte do Vikan. Pensei: “Pô, o Mark Pellegrino mal chega e já vai embora de novo?”. Hahahahaha…
P.S.3.: O “de novo”, para quem não acompanha, é por causa do papel dele em Dexter. :)

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial