Review: Dexter – 7×07: Chemistry - Líder Séries

ULTIMAS

14 de novembro de 2012

Review: Dexter – 7×07: Chemistry




Para uma explosão bem sucedida ocorrer, um trajeto metódico precisa ser percorrido, onde algumas misturas se transformam quimicamente. Seja pelo calor, pressão ou atrito, essa mistura entra em combustão e seu poder pode ser arrasador. Dexter está caminhando para uma explosão nuclear.
Spoilers Abaixo:
Dexter preferiu ter Hannah em sua cama a sua mesa, e essa decisão desencadeou algo muito maior do que mais um mero elemento na teia de mentiras e problemas que o cerca. Essa teia é muito perigosa pelo fato de que uma picada mortal pode vir de um ângulo que Dexter está ignorando. LaGuerta está nesse canto ignorado, prestes a ter uma epifania. Isaak é a varejeira gorda e apetitosa que possui maior parte da ciência e interesse de Dex, que por sua vez está cego pela viúva-negra, aquela com o veneno mais mortal, que após a cópula se alimenta do corpo rígido e sem vida do seu parceiro.
 Sal Price foi um personagem interessante. Ele foi a mosca que ficou presa na teia e não conseguiu escapar. Durante o episódio eu cheguei a pausar e fazer a seguinte anotação: “A mania de morder objetos que Price possui, está sendo muito evidenciada. Fico pensando se não será através desse vício que Hannhah vai conseguir envenená-lo”. Embora estivesse óbvio e gritante que iria acontecer, a morte do escritor investigativo pode ter sido a primeira onda de algo mais perigoso que uma explosão: uma tempestade perfeita.
Posso estar divagando por uma área que nem seja cogitada pelos roteiristas da série, pode ser a necessidade que sinto de ver Quinn em uma trama relevante, mas não consegui parar de pensar sobre a 5ª temporada depois das perguntas feitas pelo detetive para Dexter durante a retirada do corpo de Sal Price. Eu tenho 100% de certeza de que Quinn sabe que Dexter matou Liddy naquela van. Pode ser uma reviravolta interessante e acrescentar um valor muito grande para esse personagem que está cada vez menos interessante.
Existe certa manipulação no texto desse episódio feita para afogarmos qualquer comparação entre Hannah e as outras mulheres da vida de Dexter. Não sei se compro essa ideia de que ela é única e aceita Dexter por completo de uma forma como nunca vimos antes. Diria que Hannah é uma versão híbrida feita com 50% Lila, 50% Lumen. A parte Lila é aquela que tenta menosprezar o código e plantar a semente de que regras não se aplicam quando o desejo é forte. A parte Lumen vem da questão da aceitação. Eu diria que a ligação entre Dexter e Lumen foi muito mais potente e que ela havia conhecido a aceitado Dexter por completo. Hannah não teve tempo ainda ter uma conexão com Dexter que ultrapasse a fase da luxuria e do desejo.
Comentei na review passada que a decisão de não matar Hannah teria um preço alto a se pagar, eu só não esperava que Deb fosse a cobradora. É difícil diferenciar hipocrisia de aceitação quando ela pede claramente para seu irmão a cabeça de Hannah em uma badeja de prata. É uma derrota para Deb, que com toda sua crença na lei, com o seu medo de ir para o inferno, teve que suplicar pela justiça que só o Dark Passenger pode conceber. Aqui começa o maior conflito entre Dexter e Deb, o estopim para a iminente explosão do final da temporada e acredito que o efeito colateral dessa explosão pode cobrar juros ainda mais caro.
PS – Nada como uma referência ao Papa-Léguas para alegar a criança que cresceu nos anos 80/90.

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial