Review: Dexter – 7×05: Swim Deep - Líder Séries

ULTIMAS

1 de novembro de 2012

Review: Dexter – 7×05: Swim Deep



Quem está comandando o jogo de gato e rato?
Spoilers Abaixo:
O episódio dessa semana pode ser considerado o mais fraco da temporada até agora, mas sua importância na dinâmica entre Dexter e Deb é imensurável.  É fácil assistir a espessa fumaça branca saindo pela chaminé, se dissipando no ar e ter conforto de que aquele ato foi “justificável”. Sujar as mãos, acobertar e mentir por Dexter, são ações extremamente corrosivas para a consciência de Deb, e esse é o preço que ela vai ter que pagar por sua cumplicidade.
A trama não faz uso da sutiliza quando intercala duas histórias com duas cúmplices diferentes. Deb foi arrastada para essa posição, e aos poucos vamos descobrindo que Hannah teve um papel muito mais ativo nos dias ao lado de Wayne do que ela admitiu para a polícia. Dexter está claramente confuso sobre o que fazer com Hannah. Ele se sente atraído por ela e ao mesmo tempo sabe que tem uma nova candidata para sua mesa. Uma coisa ficou clara: Dex quer Hannah só para ele e não hesitou em quebrar sua promessa de não interferir em casos policiais.
Um dos elementos mais recorrentes em todas as temporadas de Dexter é o jogo de gato e rato com os antagonistas. Isaak foi ferido pela ratoeira de Dex, mas duvido que ele vá ficar preso por muito tempo. Aliás, a sequência que recria os acontecimentos dentro do boteco colombiano foi sensacional, e mais tarde quando Isaak e Dexter trocaram olhares dentro da delegacia, me lembrou do encontro com Trinity e o inesquecível, “Hello Dexter Morgan”. Muitos comentaram na review passada sobre o relacionamento entre Isaak e Viktor e eu acredito que essa dubiedade criada pelo texto da série é proposital. Hora eles soam como pai e filho, outra como amantes. Se Viktor fosse filho de Isaak, essa informação estaria no arquivo da Interpol que Dexter acessou. Se eles eram amantes, porque Viktor tinha fama de garanhão do Fox Hole? Eu duvido que uma resposta mastigada seja entregue, mas meu palpite pesa mais para o lado do sentimento paternal do que carnal.
Foi importante vermos com a investigação de LaGuerta está adiantada. Ela possui uma lista de vítimas, vai entrevistar a fundo suas famílias, ela tem posse das anotações de Lundy e agora conta com Deb, que na verdade é uma pedra no sapato disfarçada em ajuda. Tenho que admitir que não gostei dessa história da foto. O próprio Dexter menciona que todas as atenções estavam voltadas para a noiva e era impossível ele ser pego, pois entrou e saiu sem ser notado. Porém, lá estava ele na foto todo sorridente ao lado da noiva. Ele NUNCA iria se expor dessa maneira. Em minha opinião, isso foi um artifício preguiçoso do roteiro para justificar o salvamento feito por Deb.
Dexter é um mentiroso patológico com um ego extremamente inflamado, que confia 100% em suas habilidades. Deb consegue enxergar essas fraquezas de forma muito clara e é por isso que a conversa com Batista não foi devastadora apenas para ele. Ordenar que ele parasse de investigar a morte de Mike foi muito doloroso para Deb. Primeiro por causa do seu histórico de amizade e confiança com Batista; Em segundo porque ele estava certo e ela sabia disso; E terceiro pela certeza que ela possui de que cada vez mais está nadando em direção a águas profundas para proteger os crimes de Dex. Cedo ou tarde ela vai se afogar.
Deb parece ter descoberto como conviver com a escuridão de Dexter. Ela sabe que ele vai continuar matando e mentindo e por isso decidiu que não pode se transformar em outra pessoa para conviver com isso, ela não precisa mudar porque ela não quer fazer parte do “team Dexter”. Infelizmente para ela já tarde de mais usar a carta da ignorância. Chega a ser muito ingênuo. Deb não tem escolha, agora ela é pivô do “team Dexter” e por mais que ela tente salvá-lo, Dexter está além do seu alcance.

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial