Review: Game of Thrones – 2×10 Valar Morghulis (Season Finale) - Líder Séries

ULTIMAS

5 de junho de 2012

Review: Game of Thrones – 2×10 Valar Morghulis (Season Finale)


“Dracarys!”
Essa temporada de Game of Thrones passou tão rápido que eu nem acredito que agora a série só retorna ano que vem. Diferente da maioria, que teve muitas ressalvas a esses 10 episódios, eu tive apenas uma ou outra crítica pequena, mas nada em grande escala. Não foi mesmo uma temporada tão agitada e emocionante quanto a primeira, mas cumpriu bem o seu papel de dar continuidade as tramas e desenhar o cenário para a tormenta de espadas que está vindo.


Junto com o explosivo episódio de semana passada, acho que esse finale foi a melhor hora da temporada e não perde em nada para o final do ano anterior. A decisão de estenderem o capítulo por 10 minutos mostrou-se sensata, já que havia tramas demais a serem encerradas em apenas 55.
Talvez o único “porém” que eu tenha tido com a temporada esteja relacionado a isso. Devido ao grande numero de tramas e personagens novos inseridos, alguns acabaram sem mostrar a que vieram, como Stannis e Melisandre. A pequena cena dos dois aqui me fez enxergar como a história deles tem potencial e torcer para que, no futuro, ela ganhe mais destaque. Afinal, a guerra ainda não acabou. Stannis perdeu apenas uma batalha. Não acho que ele vá descansar enquanto Joffrey ainda estiver sentado no Trono de Ferro.
Falando no moleque, me surpreendi com a jogada do Loras. Os Tyrell me são uma incógnita. Eles foram peça chave na derrota de Stannis e aparentemente estão unidos aos Lannister, mas é certo que existem outros interesses por trás. Não sei se o Loras busca vingança pela morte do Renly e a Margaery o está ajudando nisso, mas é uma aliança que me chama atenção e acho que vai ser interessante ver os rumos que esse casamento vai tomar.
Especialmente no que diz respeito a Sansa. Deu pena ver como toda a felicidade que ela estava sentido caiu por terra no momento em que o Baelish a lembrou que, agora, ela não era mais protegida pelo compromisso com o Joffrey. Certamente, caso ela não encontre uma saída, dias tensos a esperam em Porto Real.
O pior é que agora nem o Tyrion tem mais tanto poder assim para defendê-la. De cama e destituído do posto de Mão do Rei, não sei bem o que ele pode fazer. A impressão que eu tenho é de que, agora, Porto Real entrará mesmo em colapso. Só não o tinha ainda pelo anão, mas o Tywin não parece ligar nenhum pouco para tentar manter a estabilidade no reino e o Joffrey deve fazer a festa.
Tô curioso pra ver como vai se dar a trama do Tyrion a partir de agora. Acho que, de todos os personagens, ele foi o que terminou a temporada mais sem perspectiva.
Ele, e de certa forma, a Arya também. A conversa dela com o Jaqen foi uma das melhores cenas do episódio e só mostrou o quanto a pequena Stark cresceu neste ano e se elevou ao posto de uma grande personagem. Mal posso esperar pra vê-la se encontrar novamente com Robb e Catelyn e com Jaqen, ou Valar Morghulis, o homem sem face.
E falando nisso, que raiva que me deu do Robb. O mundo caindo ao redor dele e ele está mais preocupado em casar com a Talisa? Eu entendo que eles tenham um sentimento e tudo o mais, mas no meio de um jogo político, você não pode simplesmente colocar esse tipo de coisa acima de sua sobrevivência e da sobrevivência de sua família. No caso do Robb, é ainda um pouco mais grande o cenário, já que ele também tem uma boa parte de Winterfell com ele.
Uma Winterfell que não existe mais.
Talvez tenha sido essa a parte mais difícil do episódio para mim. Ver Winterfell saqueada, queimada, destruída. Como eu me encantei de cara pelos Stark quando comecei a assistir a série, tinha um carinho especial pelo lugar, quase o mesmo do Bran e do Rickon. Fico pensado como Robb, Sansa, Catelyn, Jon e Arya vão se sentir ao saber que o lar que conheciam não existe mais. Pelo menos, isso abriu um caminho interessante, com a marcha dos garotos para a Muralha.
Theon também me deixou intrigado quanto ao futuro dele. Embora eu desgoste de tudo  que ele fez nessa temporada, alguns dos meu momentos favoritos nesses 10 episódios foram com ele e aqui não foi diferente. O desabafo dele antes de tentar incitar os soldados a lutar foi emocionante e, no fim das contas, eu me divido muito com relação a isso. Entendo perfeitamente a dualidade de sentimentos dentro dele; é até compreensível já que o cara só levou tapa da vida o tempo inteiro. Mas não tem como não ficar inquieto ante a traição ao Robb. Quero ver como vão levar essa história adiante.
Daenerys foi, aqui, tudo que ela devia ter sido na temporada. De longe, as melhores cenas do episódio.  O resgate dos dragões ficou só para o fim do episódio, mas foi bem desenvolvido, coerente e rendeu cenas de encher os olhos, como o “reencontro” com o Khal Drogo e os dragões fazendo churrasquinho de Imortal. Já estava mesmo na hora desses dragões começarem a se comportar como dragões e isso me anima muito, especialmente pela menção do Pyat sobre a magia ter retornado após o nascimento das criaturas.
Parece que a Dany deu mesmo início a uma nova era em Westeros e eu fico bastante feliz de ver a magia sendo inserida pouco a pouco no seriado. Vibrei com a aparição dos White Walkers ao fim do episódio. Mais um problema para a Muralha, que além de lidar com o ataque dos selvagens do lado de lá (e eu admito, quero muito ver o papel do Snow nisso tudo), agora vão precisar enfrentar também as criaturas sobrenaturais.
Terminamos a temporada tão incertos quanto começamos. Acho que a única personagem com destino certo é a Dany, que deve pegar o navio e seguir para encontrar seu povo e, depois, preparar o ataque para reaver o Trono de Ferro. Todos os outros estão imersos em teias de poder, política e traição em um jogo que, pelo visto, só está começando.

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial